88 ANOS DE FUNDAÇÃO DO GEAP


Ao longo de sua história a GEAP (Grupo Espírita Auxiliadores dos Pobres) teve a capacidade de adaptar-se a inúmeras mudanças no país e no mundo, quer sejam administrativas, de ordem política, econômica, tecnológica e social, para ajustar-se as novas realidades do movimento espírita cearense e brasileiro.

Quando foi necessário abrigar em seu seio as atividades federativas, trouxe para o seu âmbito interno as novas formas de gestão, quando então suas lideranças e colaboradores participaram concomitantemente das atividades internas como sociedade espírita e das atividades externas como órgão unificador quer inicialmente como CEC (Confederação Espírita Cearense) e posteriormente como UEC (União Espírita Cearense), USEFOR (União das Sociedades Espíritas de Fortaleza) e atualmente a USEECE (União das Sociedades Espíritas do Estado do Ceará).

OS PRIMEIROS ANOS

O Grupo Espírita Auxiliadores dos Pobres, também denominado pela sua sigla GEAP, foi fundado em Fortaleza, no estado do Ceará no dia 26 de junho de 1928, por uma plêiade de nobres espiritistas, que reunidos em torno de um mesmo ideal, o Ideal Espírita, lançaram seguras e resistentes bases que até hoje causam admiração, pela tenacidade de seus continuadores em manter acessa perenemente a chama deste ideal.
ANTÔNIO IZAÍAS DE JESUS, como primeiro historiador do GEAP, relata na primeira edição do jornal espírita A VOZ DO ALTO os primórdios da fundação do GEAP, cujas origens remonta ao segundo quinquênio dos anos 20 do século passado na residência do sapateiro ANTÔNIO ALVES DE LINHARES onde ocorriam fenômenos mediúnicos espantosos que eram prodigalizados por seu filho Josué, um adolescente de pouco mais de dez anos de idade.

 Antônio Alves de Linhares e Manuel Félix de Moura Amazonas


 Manoel Coelho da Silva e Prof. Euclides César
 Secundino Ferreira Passos

Antônio Izaías de Jesus e José Borges dos Santos

Após sucessivas reuniões, abnegados seareiros, dentre eles o próprio Antônio Linhares, doutrinador do grupo, resolveram organizar um Centro Espírita em sua residência.
 MANUEL FELIX DE MOURA AMAZONAS, alfaiate, foi eleito o primeiro presidente do GEAP. Presidiu o GEAP nos anos de 1928 a 1930. Em seu mandato foi elaborado o primeiro estatuto por uma Comissão organizadora composta por: Paulino Moraes, Antônio Alves de Linhares e Manuel Coelho da Silva e aprovado em Assembléia Geral em 14 de Outubro de 1928. Dentre os fins estabelecidos encontram-se o estudo e difusão dos princípios da Doutrina Espírita codificados por Allan Kardec e aquisição de um prédio próprio para a sede social. Destaca-se ainda, a filiação a Federação Espírita Brasileira, sediada na época, na cidade do Rio de Janeiro, capital do Brasil.
No dia 10 de março de 1929, Antônio Alves de Linhares dirige pela última vez as sessões doutrinárias, embora o “Grupo” permaneça em atividade em sua residência até a data de 2 de abril do corrente ano, quando então contava com a assistência média de 40 presentes.
 Antônio Alves Linhares viajando para São Paulo, o “Grupo” passou a funcionar na casa de D. Laura Salgado durante alguns meses. No dia 26 de outubro de 1929 o “Auxiliadores dos Pobres” como carinhosamente era denominado, passou a funcionar na residência de MANOEL COELHO DA SILVA (também conhecido como Manduca Coelho) cujas atividades espíritas de cunho familiar já ocorriam desde 1925 numa casa situada na praça Pelotas, Villa Amazonas, nome alterado posteriormente para praça da Bandeira e atualmente praça Clóvis Beviláqua. Os anos 30 reservariam a oportuna ocasião da conquista de um dos principais objetivos da sociedade, sua sede própria.



No início da década de 30 o GEAP teve a honra de ter em seus quadros diretivos o ilustre Prof. Euclides César que presidiu de 1930 a 1931. As gestões de 1931 a 1933 seriam lideradas por JOSÉ BORGES DOS SANTOS.
Nos primeiros anos as atividades do GEAP se limitavam em grande parte as atividades doutrinárias de cunho mediúnico, embora seus diretores já realizem incursões de visitação as poucas casas espíritas existentes à época.
No dia 22 de novembro de 1933, MANOEL COELHO DA SILVA, como Presidente do GEAP, adquiriu o atual terreno.
E Graças aos esforços de SECUNDINO FERREIRA PASSOS, presidente do GEAP, em 1934 era iniciada a construção da sede social na Avenida Tristão Gonçalves, 1695 (onde permanece até hoje), acontecendo sua inauguração no dia 25 de agosto de 1935, no segundo mandado de Manoel Coelho da Silva. O Evento foi marcado por nota na imprensa escrita e grande cerimônia.

CONHEÇA NOSSA HISTÓRIA

Personalidades
Primeira fila a partir da esquerda:
José Borges dos Santos, Antônio Alves de Linhares, Manuel Félix de Moura Amazonas, Theodorico da Costa Barroso, Manuel Coelho da Silva e José Feliciano da Silva
Segunda fila a partir da esquerda:
Antônio Izaías de Jesus, Maria Lourdes de Carvalho, Benedito Fonsêca, Manoel Monteiro da Silva, Mirian Maciel e Prof. Euclides César
Terceira fila a partir da esquerda:
Mário Ciarline, Manoel Ancelmo, Maurício Holanda, Júlio Maciel e Celso de Freitas
Quarta fila a partir da esquerda:
Orlando Borges dos Santos, Antônio Nunes de Deus, José Alves Filho, Geraldo Florentino e Francisco Carlos de Oliveira.


CRÉDITOS:
Pesquisa elaborada por: André Luiz Bezerra Borges dos Santos
Fontes e Créditos das imagens:
Atas da União Espírita Cearense.
Jornal A Voz do Alto da UEC
Arquivos do Grupo Espírita Auxiliadores dos Pobres

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DR. EDSON QUEIROZ E AS CIRURGIAS ESPIRITUAIS EM FORTALEZA

ESPIRITISMO E O ISLAMISMO - PARTE 1

NOTÁVEIS ROMANCES ESPÍRITAS - JORMESP 2016